quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Auto-retrato


Provinciano que nunca soube
Escolher bem uma gravata;
Pernambucano a quem repugna
A faca do pernambucano;
Poeta ruim que na arte da prosa
Envelheceu na infância da arte,
E até mesmo escrevendo crônicas
Ficou cronista de província;
Arquiteto falhado, músico
Falhado (engoliu um dia
Um piano, mas o teclado
Ficou de fora); sem família,
Religião ou filosofia;
Mal tendo a inquietação de espírito
Que vem do sobrenatural,
E em matéria de profissão
Um tísico profissional.


MANUEL BANDEIRA

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Black Power: Obama is the best!


Graciliano Ramos, por ele mesmo


Abaixo, o auto-retrato que fez aos 56 anos, na terceira pessoa:

"Nasceu em 1892, em Quebrangulo (paroxítono), Alagoas. Casado duas vezes, tem sete filhos. Altura, 1,75. Sapato n.º 41. Colarinho n.º 39. Prefere não andar. Não gosta de vizinhos. Detesta rádio, telefone e campainhas. Tem horror às pessoas que falam alto. Usa óculos. Meio calvo. Não tem preferência por nenhuma comida. Indiferente à música. Não gosta de frutas nem de doces. Sua leitura predileta: a Bíblia. Escreve Caetés com 34 anos de idade. Não dá preferência a nenhum dos seus livros publicados. Gosta de beber aguardente. É ateu. Indiferente à Academia. Odeia a burguesia. Adora crianças. Romancistas brasileiros que mais lhe agradam: Manoel Antonio de Almeida, Machado de Assis, Jorge Amado, José Lins do Rego e Rachel de Queiroz. Gosta de palavrões escritos e falados. Deseja a morte do capitalismo. Escreve seus livros pela manhã. Fuma cigarros Selma (três maços por dia). É inspetor de ensino, trabalha no Correio da Manhã. Apesar de o acharem pessimista, discorda de tudo. Só tem cinco ternos de roupa, estragados. Refaz seus romances várias vezes. Esteve preso duas vezes. É-lhe indiferente estar preso ou solto. Escreve à mão. Seus maiores amigos: Capitão Lobo, Cubano, José Lins do Rego e José Olympio. Tem poucas dívidas. Quando prefeito de uma cidade do interior, soltava os presos para construírem estradas. Espera morrer com 57 anos."

Capitão Lobo comandava o quartel em que Graciliano esteve preso no Recife, em 1936; Cubano foi um ladrão que ele conheceu na cadeia.

(*) Graciliano morreu em 1953, aos 61 anos de idade.

Procrastinação


2ª-feira : café com leite
3ª-feira : café preto
4ª-feira : leite puro
5ª-feira : nescau
6ª-feira : granola com leite
Sábado : esponja e detergente

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Sobre o poemínimo

O poemínimo, gênero breve criado e assim batizado pelo poeta mexicano Efraín Huerta (1914-1982), destaca-se por seu lampejo, sua configuração espacial, seu humor e criatividade. Sobre esta expressão o próprio Huerta escreveu:
"Creo que cada poema es un mundo. Un mundo y aparte. Un territorio cercado, al que no deben penetrar totalmente indocumentados: los huecos, los desapasionados, los censores, los líricamente desmadrados. Un poemínimo es un mundo, sí, pero a veces advierto que he descubierto una galaxia y que los años luz no cuentan sino como referencia, muy vaga referencia, porque el poemínimo está a la vuelta de la esquina o en la siguiente parada del Metro. Un poemínimo es una mariposa loca, capturada a tiempo y a tiempo sometida al rigor de la camisa de fuerza. Y no lo toques ya más, que así es la cosa, la cosa loca, lo imprevisible, lo que te cae encima o tan sólo te roza la estrecha entendedera -y ya se te hizo-".

Ay poeta


primero
que nada
me complace
enormísimamente
ser
un buen
poeta
de segunda
del
tercer
mundo


EFRAÍN HUERTA

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Mijactância


Sacudiu uma, duas, três, várias vezes. O líquido turvo ainda escorria pela parede branca do mijador quando encostou o pedaço de papel higiênico, simetricamente dobrado em quatro, na glande, como que a beijar os lábios da uretra. Quase sempre funcionava e colocava a cueca a salvo dos últimos e indesejáveis pingos da urina amarelada pelos remédios. Com olhar disfarçado percebeu que o sujeito à sua esquerda tentava timidamente esconder o pênis miúdo. Esboçou um sorriso de superioridade, enquanto o zíper subia arranhando os trilhos. Contente, atirou o papel no cesto e se foi.


RAUL POUGH

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Psi(u)cóloga


sim, eu sei...

mas é pra isso
que eu te pago
50 pilas por sessão?

pra me dizeres
que pelo andar do andor
nunca farei parte da

antologia dos egos da província?


RAUL POUGH

terça-feira, 30 de setembro de 2008

sábado, 27 de setembro de 2008


A BÍBLIA (SPECIAL FEATURES)

Olha, Pai, eu tentei,
mas acho que
não deu muito certo não...


ANTONIO PRATA

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Travelling


pariso
novayorquizo
moscoviteio
sem sair do bar

só não levanto e vou embora
porque tem países
que eu nem chego a madagascar


PAULO LEMINSKI

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

A Casa Azul


A Casa Azul, onde nasceu e morreu Frida Kahlo. Lá estão objetos pessoais da pintora e sua obra. Cidade do México.

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Met amor fose


Quando o amor morreu
plantei duas árvores

isso faz tempo

olhando para o pomar
ninguém diz, nem o vento
que ao terminar por dentro
o amor cresceu vermelho
pendurado nas frutas


SUZANA MAFRA


segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Aparências


me elogia
por não respingar
sobre o assento

ela nem desconfia
que eu só mijo na pia


RAUL POUGH

sábado, 13 de setembro de 2008

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

by Nicky


vai ver que o apocalipse
já aconteceu
e a gente nem percebeu


NICOLAS BEHR

podem ficar com a realidade
esse baixo astral
em que tudo entra pelo cano
eu quero viver de verdade
eu fico com o cinema americano


PAULO LEMINSKI

terça-feira, 9 de setembro de 2008

Estupro do cupido


era um menino
gracioso e sonhador,
de cabelos encaracolados

uma noite, nos arcos da lapa
preso por engano,
foi parar na (extinta) febem

não deu outra
ou melhor, deu todas...
virou, lógico, um mito

foi tanta flechada
naquela bundinha alva...
nem o rambo suportaria

ação por danos morais
corre lentamente na justiça...
vai acabar em precatório

dizem ter sido visto
em sampa, num barzinho gls
e na parada gay

verdade, mora em paris...
frequenta a ala das baianas
do museu d'orsay


RAUL POUGH

(out)cesto


mãe,
posso pôr só a cabecinha?

pára com isso e nasce logo,
guri!


RAUL POUGH

Inédito


" Vaca magra não morre atolada "




Posso me considerar o criador desta máxima. Pesquisando no Google, onde existe 1 trilhão de páginas, retorna a seguinte mensagem: nenhum resultado encontrado para "vaca magra não morre atolada". Hoje em dia, não é fácil ser inédito. Yessss.

E agora, José?

João Victor dos Santos Rodrigues, de 13 anos, e Igor Giovani dos Santos Rodrigues, de 12, foram queimados e esquartejados pelos pais na noite de 5 de setembro último. A decisão que tirou os meninos do abrigo onde viviam cita que os dois “seriam desabrigados em face da não confirmação dos fatos que causaram o abrigamento” e que “os dois manipulam a realidade para contemplar seus desejos pessoais”.

Leminski, Paulo