sábado, 30 de julho de 2011

Súplica


                    A provar que hei perdido a segurança
                    Desde, Senhora, que cheguei a ver-vos,
                    Ao juízo recusam-se-me os nervos,
                    E sucede-me insólita mudança.
   
                    Tremo por mim, pesar que a linda e mansa
                    Face vossa me induza a vir dizer-vos
                    Esta infinita insânia de querer-vos
                    E na alma quanto sinto de esperança.
      
                    Apiedai-vos de mim, cuja loucura
                    Em toda parte só divisa abrolhos
                    Depois de ter o olhar de leve posto
   
                    Em vosso airoso talhe, em vossa alvura,
                    Nas duas noites que mostrais nos olhos,
                    Nas duas rosas que trazeis no rosto.
 
 
                    ANÍBAL TEÓFILO

.

quinta-feira, 28 de julho de 2011

A pedido


                           Pediram-me um soneto rendilhado,
                           Feito de luz e sombra, e de perfumes;
                           Que o verso fosse terso, ethéreo, alado,
                           E que brilhasse como vagalumes;
      
                           Que eu fizesse um soneto aprimorado,
                           Sem provocar dos novos negros ciumes;
                           Que fosse sóbrio como um namorado
                           Que não tivesse amôr e vãos queixumes.
       
                           Fiz os primeiros versos num instante,
                           Todos serzidos de beryllo e rosas,
                           Com “laços d´oiro” e gemmas do Levante.

                 
                           Mas ao passar pra o último tercetto,
                           Achando as rimas futeis, desgraciosas,
                           Rasguei sem terminar o meu soneto.

     
   
                           FRANCISCO GASPAR

quarta-feira, 27 de julho de 2011

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Primavera



Libélulas? Qual!
Flores de cerejeira
Ao vento de abril.
 
 
ÉRICO VERÍSSIMO

ferido de morte


me deixe quieto
no meu canto
    
não toque no rádio
não mexa na ferida
nem provoque o sonho
    
deixe a noite
acontecer sem pressa
    
não fale meu nome
não atravesse a ponte
     
fique onde estás
e me deixe entregue
ao meu silêncio
    
hoje,
eu calo por nós dois
         
     
ADEMIR ANTONIO BACCA

quarta-feira, 20 de julho de 2011

.

a realidade é uma oficina pirogênica


no sopé
da grande bunda pasmacenta
a cloaca sagrada expele repugnâncias e bem-aventuranças
que o artista decompõe pacientemente em seu
atelier psicobélico de inutilidades
   
cada fibra
cada naco putrefato levado ao sol
cada rejeito dejeto embalagem plástica reciclada
uma fratura exposta, acinte-impropério, artefato belicoso
sob encomenda para a Bienal Internacional das Artes
de São Joaquim de Campos Leão
    
enquanto isso a cidadela se diverte
na opulência de sua indiferença degenerada
costela gorda chiclete com farofa drogas mentiras
                                                       [e sexo pago
integralmente deduzível da pessoa física
    
    
ALEXANDRE BRITO

terça-feira, 19 de julho de 2011

exército de um homem só I

Moscou, maio de 1987.
Mathias Rust pousa seu Cessna 172B em plena Praça Vermelha.

exército de um homem só II

Pequim, junho de 1989.
Rebelde desconhecido desafia uma coluna de tanques.

4.


No sé qué me ocurre
con los espejos:
en unos me miro
y en otros me veo.
  
  
FRANCISCO DÍAZ VELÁSQUEZ

contrariedad

(Contrariedad)
JULIO ROMERO DE TORRES

travessia do deserto


                                 Horizonte oco invisível,
                                 destino solto.
                                 Deixei de ser urbano,
                                 Sou feliz.
                                 Corpo de flor-de-lis
                                 e boca, boca de pano
                      
                                 palco e luz.
                                 Meu coração repousa em cruz,
                                 fala surda que não se escreve;
                                 e muda.
                                 Construo o deserto
                                 - oásis, de grão em grão.
  
                                 Camelos aguardam por nós.
   
  
                                 FLÁVIO MOREIRA DA COSTA

charge do dia


Esta imagem foi reproduzida sem alteração e sem motivação comercial.

cotidiano


                            Degolaram um anjo na praça
                            Horror e sangue entre as árvores
                                 
                            Não sei se devo me inquietar
                            ou apenas encarar friamente
  
                            É do ritmo do mundo que haja mortes
                            e os anjos não servem para nada
 
 
                            VITOR BIASOLI

domingo, 17 de julho de 2011

A moça do sonho


                                Súbito me encantou
                                A moça em contraluz
                                Arrisquei perguntar: quem és?
                                Mas fraquejou a voz
                                Sem jeito eu lhe pegava as mãos
                                Como quem desatasse um nó
                                Soprei seu rosto sem pensar
                                E o rosto se desfez em pó
  
                                Por encanto voltou
                                Cantando a meia voz
                                Súbito perguntei: quem és?
                                Mas oscilou a luz
                                Fugia devagar de mim
                                E quando a segurei, gemeu
                                O seu vestido se partiu
                                E o rosto já não era o seu
   
                                Há de haver algum lugar
                                Um confuso casarão
                                Onde os sonhos serão reais
                                E a vida não
                                Por ali reinaria meu bem
                                Com seus risos, seus ais, sua tez
                                E uma cama onde à noite
                                Sonhasse comigo
                                Talvez
     
                                Um lugar deve existir
                                Uma espécie de bazar
                                Onde os sonhos extraviados
                                Vão parar
                                Entre escadas que fogem dos pés
                                E relógios que rodam pra trás
                                Se eu pudesse encontrar meu amor
                                Não voltava
                                Jamais 
    
   
                                CHICO BUARQUE / EDU LOBO

sábado, 16 de julho de 2011

charge do dia



LUZIA


Éramos jovens, eu sei, a inventar amores
e a desenhar no céu, e a brincar de consciência
 
Hoje, holocausto de sortes, vi você
Multiverso de ses numa história não escrita
  
Fiquei emocionado, eu confesso
Com a beleza final de toda a inexistência
   
   
EMERSON PERETI

incautitude


                                                   

isto é básico:


quinta-feira, 14 de julho de 2011

(Sétima elegia, Terceira Sede)


Essa sensação de ir descalço, a camisa
cheirando a sol de varal.

Tu, minha mulher, eras corrente e água calma,
as oscilações da palha e trigo.
 
Teu corpo arvorava nos lábios indecisos ou nos cabelos?
Na encosta da cinta ou nas dunas dos seios?
Quando começavas a te revelar? No desejo apetecido
ou na fome de um filho?
Como definir se a luz deitou as vestes?
   
Cumprias distâncias em mim.
Madrugando não alcançaria.
   
Venho de tua lonjura, os braços eram remos
no barco e aço da âncora.
Acostumado à extensão das raízes,
não sobrevivo no vaso dos pés.
   
Passei a vida aprendendo a respeitar teu espaço.
Como povoá-lo após tua partida?
    
  
FABRICIO CARPINEJAR

quarta-feira, 13 de julho de 2011

solidão


                            Quando estamos sozinhos
                            diante da vida
                            buscamos sem fôlego
                            a paz esperada... a luz colorida
      
                            Que preencha o vazio
                            a angústia do nada
                            e bate a esperança
       
                            Abrem-se as cortinas
                            e então, como nos sonhos,
                            o amor fica leve, bonito, tão puro
    
                            Mas tudo é tão rápido
                            Que logo fica escuro,
                            Frio e sem vida
      
                            E termina o capítulo
                            com o “the end” infeliz
                            que nem mesmo uma fada
                            poderia entender
                            o que esse coração
                            sofrido e amargo
                            sussurra baixinho
                            no ouvido na atriz!
    
    
                            ROSANGILA RAFFO

terça-feira, 12 de julho de 2011

Neruda


Filho de um operário ferrroviário e de uma professora primária, nasceu em 12 de julho de 1904, na cidade de Parral (Chile). Seu nome verdadeiro era Neftalí Ricardo Reyes Basoalto. Perdeu a mãe no momento do nascimento. Em 1906, a família muda-se para a cidade de Temuco. Começa a estudar por volta dos sete anos no Liceu para Meninos da cidade. Ainda em fase escolar, publica seus primeiros poemas no jornal "La Manãna". No ano de 1920, aos dezesseis anos, começa a contribuir com a revista literária "Selva Austral", já utilizando o pseudônimo de Pablo Neruda (homenagem ao poeta tcheco Jan Neruda e ao francês Paul Verlaine).
 
Em 1921, passa morar na cidade de Santiago e estuda pedagogia no Instituto Pedagógico da Universidade do Chile. Em 1923 publica "Crepusculário" e no ano seguinte "Vinte poemas de amor e uma canção desesperada", já com uma forte marca do modernismo.
 
No ano de 1927, começa sua carreira diplomática, após ser nomeado cônsul na Birmânia. Em seguida passa a exercer a função no Sri Lanca, Java, Singapura, Buenos Aires, Barcelona e Madrid. Nestas viagens, conhece diversas pessoas importantes do mundo cultural. Em Buenos Aires, conheceu Garcia Lorca, e em Barcelona Rafael Alberti.
  
Em 1930, casa-se com María Antonieta Hagenaar, divorciando-se em 1936. Logo após começou a viver com Delia de Carril, com quem se casou em 1946, até o divórcio em 1955. Em 1966, casou-se novamente, agora com Matilde Urrutia.
  
Em 1936, explode a Guerra Civil Espanhola. Comovido com a guerra e com o assassinato do amigo Garcia Lorca, compromete-se com o movimento republicano. Na França, em 1937, escreve "Espanha no coração". Retorna neste ano para o Chile e começa a produzir textos com temáticas políticas e sociais.
   
No ano de 1939, é designado cônsul para a imigração espanhola em Paris e pouco tempo depois cônsul Geral do México. Neste país escreve "Canto Geral do Chile", que é considerado um poema épico sobre as belezas naturais e sociais do continente americano.
    
Em 1943, é eleito senador da República. Comovido com o tratamento repressivo que era dado aos trabalhadores de minas, começa a fazer vários discursos, criticando o presidente González Videla. Passa a ser perseguido pelo governo e é exilado na Europa.
     
Em 1952, publica "Os versos do capitão" e dois anos depois "As uvas e o vento". Recebe o prêmio Stalin da Paz em 1953. Em 1965, recebe o título honoris causa da Universidade de Oxford (Inglaterra). Em outubro de 1971, recebe o Prêmio Nobel de Literatura.
    
Durante o governo do socialista Salvador Allende, é designado embaixador na França. Doente, retorna para o Chile em 1972. Em 23 de setembro do ano seguinte, morre de câncer de próstata na Clínica Santa Maria de Santiago (Chile).
   
Obras de Pablo Neruda:
  
Crepusculario.
Veinte poemas de amor y una canción desesperada.
Tentativa del hombre infinito.
El habitante y su esperanza. Novela.
Residencia en la tierra (1925-1931).
España en el corazón. Himno a las glorias del pueblo en la guerra: (1936- 1937).
Tercera residencia (1935-1945).
Canto general.
Todo el amor.
Las uvas y el viento.
Odas elementales.
Nuevas odas elementales.
Tercer libro de las odas.
Estravagario.
Cien sonetos de amor (Cem Sonetos de Amor).
Navegaciones y regresos.
Poesías: Las piedras de Chile.
Cantos ceremoniales.
Memorial de Isla Negra.
Arte de pájaros.
La Barcaola.
Las manos del día.
Fin del mundo.
Maremoto.
La espada encendida.
Invitación al Nixonicidio y alabanza de la revolución
 
fonte: netsaber.com.br

...


                           Antes de amar-te, amor, nada era meu
                           Vacilei pelas ruas e as coisas:
                           Nada contava nem tinha nome:
                           O mundo era do ar que esperava.
                           E conheci salões cinzentos,
                           Túneis habitados pela lua,
                           Hangares cruéis que se despediam,
                           Perguntas que insistiam na areia.
                           Tudo estava vazio, morto e mudo,
                           Caído, abandonado e decaído,
                           Tudo era inalienavelmente alheio,
                           Tudo era dos outros e de ninguém,
                           Até que tua beleza e tua pobreza
                           De dádivas encheram o outono.
 
 
                           PABLO NERUDA 

segunda-feira, 11 de julho de 2011

apocalipse now!


ela me prometeu
um inesquecível e feliz
the end
    
>h%7)+>?#&¨@4;k!$\°(“ç§.
    
ainda bem que eu
já não acreditava em
duende
    
     
RAUL POUGH

charge do dia


Esta imagem foi reproduzida sem alteração e sem motivação comercial.

domingo, 10 de julho de 2011

(nota de rodapé de árvore)


voltei há um ano.
comi amoras no pé, as mesmas amoras.
   
o pé era o mesmo,
meus pés cresceram.
           
não voltei para casa
deliciosamente espancado,
com a hering exangue do
fruticídio.
   
e já não aconteceu
o limão frutificar,
entre flores de maracujá,
num dos galhos invisíveis.
   
a amoreira, sem criança
que pese no durame,
se não escrevo o poema,
não passa de uma amoreira.
  
  
RODRIGO MADEIRA

charge do dia


Esta imagem foi reproduzida sem alteração e sem motivação comercial.

Fã número 1


                       Você nem desconfia e o que eu não daria
                       Por seu amor
                       Onde você anda
                       Nem sei como chamo a sua atenção
                       Que eu existo aposto que pode dar certo
                       Esse romance aberto dentro de mim
                       Você nem imagina que eu te inundaria
                       Toda de som
                       Luz da ribalta
                       Te quero no palco
                     
                       Entra em cena faz seu número
                       Faz meu gênero ser seu fã número 1
                       Ali no gargarejo jogando beijo
 
 
                       GUILHERME ARANTES

sábado, 9 de julho de 2011

charge do dia


Esta imagem foi reproduzida sem alteração e sem motivação comercial.

alternâncias


um dia da fênix
outro do urubu

ontem, eu era cinzas
hoje, a carniça habita em mim

qual será o meu fim?
 
 
RAUL POUGH

.



do facebook, por susan blum

Tu vais entender


                                 Um dia tu vais entender...
                                 porque o sol morre
                                 a dor te marca o corpo
                                 a saudade te faz chorar

                                 Um dia tu vais entender...
                                 o sentido do medo
                                 a razão do silêncio
                                 o eco nos montes
                                 a vida que vai...

                                 Um dia tu vais entender...
                                 porque um amor parte
                                 a lágrima cai
                                 calma e serena
                                 ou forte e doída
                                 o vazio enfastia
                                 a fartura angustia
                                 e uma sede de vida
                                 te faz ficar...

                                 Ah, tu vais entender...
                                 a razão do poeta
                                 em seus versos tão tristes
                                 o cego que vê
                                 a expressão do teu rosto
                                 que mostra a todos
                                 a vida que te trouxe
                                 só dor e desgosto...


                                 ROSANGILA RAFFO

szórakozott gyözelmünk


     
  DISTRAÍDOS VENCEREMOS, lançado em 1987, foi o último livro de poemas que Leminski publicou em vida (posteriormente foram lançados mais dois). Em 1994 foi lançado na Hungria com o título de SZÓRAKOZOTT GYÖZELMÜNK ("Nossa Senhora Distraída"). O exemplar da foto é meu, obtido diretamente junto à editora em Budapeste. De acordo com a Ágnes, que me enviou o livro, restou apenas um exemplar lá, do acervo deles. Portanto, uma raridade no Brasil. O idioma húngaro é, para mim, um completo mistério. Mas, segue abaixo um dos poemas, com sua versão original:
   
  
a régi füzetet nézem
azt meséli
hogy örök voltam régen

abrindo um antigo caderno
foi que eu descobri
antigamente eu era eterno
 
 
PAULO LEMINSKI

sexta-feira, 8 de julho de 2011

o bêbado e o versilibrista


 I
  
 confuso
espichou o olhar etilizado
para aqueles versos cambaleantes
sem nada entender
 
onde a métrica?
onde a rima?
e o ritmo?
 
 
II
 
é o seguinte, amigo
não me leve a mal
(tenta explicar o bardo
com ar professoral:)
 
são versos livres, modernos
falam de quimeras, de deus
de céus e de infernos
de invernos e primaveras
 
onde rimar, não é tudo
o que importa é o conteúdo
 
 
III
 
ah! acho que entendi:
 
cantas porque o instante existe
e a tua vida está completa.
não és alegre nem triste:
és poeta.
 
poetar, basta um motivo
   
   
RAUL POUGH

quarta-feira, 6 de julho de 2011

flor do camaquã


                                                                  deus te fez poema...
                                                                  e eu me fiz rima
                                                                  pra caber na obra-prima
 
 
                                                                  RAUL POUGH

expectativas


tudo começa
do mesmo jeito
diferente

o que se quebra
pesa mais
do que o sonho leva

como se o dia
não passasse
dessa noite
 
 
ALICE RUIZ

heptáfio IV


(para um vendedor de sabonetes)

sete palmo(live)s 
underground
lux, lever more
 
 
RAUL POUGH
 

...


                                    Estou com uma pança
                                    meio sancho, preso numa
                                    dança meio
                                    mambo,
                                    vendo uns fantasmas
                                    meio moínhos,
                                    conversando com
                                    almas meio
                                    daninhas, querendo
                                    alisar meus pêlos
                                    com a escovinha
                                    da poesia dos meus
                                    pergaminhos.
 
 
                                    CLÁUDIO BETTEGA

.



terça-feira, 5 de julho de 2011

Creio


                                 Agora acredito ...
                                 na vida
                                 na esperança incontida
                                 na dor que finda
 
                                 Agora acredito...
                                 na sorte
                                 no forte
                                 na morte

                                 no acalento
                                 no pequeno rebento
                                 que traz para o mundo
                                 uma gota de vida...
                                 que cura a partida
                                 da pessoa querida

                                 Agora acredito...
                                 no orvalho na folha
                                 no sabão que virou bolha
                                 para que o menino a colha

                                 Hoje, meu amor, eu acredito...
                                 que a paz existe
                                 que a vida insiste
                                 em nos dar um fim... bonito!
 
 
                                 ROSANGILA RAFFO

Rápido e rasteiro




O melhor vai começar


                           Eu quero o sol
                           Ao despertar
                           Brincando com a brisa
                           Por entre as plantas
                           Da varanda
                           Em nossa casa
                           Eu quero amar
                           É lógico
                           Que o mundo não me odeia
                           Hoje eu sou mais romântico
                           Que a lua cheia
                           Você mostrou pra mim
                           Onde encontrar assim
                           Mais de um milhão
                           De motivos pra sonhar, enfim
                           E é tão gostoso ter
                           Os pés no chão e ver
                           Que o melhor da vida
                           Vai começar...



                           GUILHERME ARANTES