quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Literatura celular




www.mostrasescdeartes.com.br

A programação da Mostra Sesc de Artes de 2008 tinha como um de seus objetivos levar literatura para os lugares mais diferentes. Os microcontos e nanocontos de diversos escritores disparados via SMS do projeto Literatura Celular, por exemplo, circularam desde a abertura da Mostra, no dia 8/10, entre os celulares de quem havia se cadastrado no site e de quem já havia recebido mensagens repassadas por amigos. Do que circulou na época, alguns dos SMS que resultaram nestes contos mínimos são reproduzidos a seguir:

--------------------------------------------------------------------------
TORPOR

Fedor. Passo. Não! Arfa avança tateia. Morto pesa pacas.
O bodum tonteia. “”Pô!”" Passo. Queda. “”Não!”" Já era.


A. Guzik
--------------------------------------------------------------------------
Periferia, becos, vielas,
E só vejo… poesia.


Alessandro Buzo
--------------------------------------------------------------------------
AMÉLIA

Jantar mudo de chamadas perdidas: eu, mulher-de-verdade,
destupro meu destino na entranha do peixe. Me calo.


Ana Rüsche
--------------------------------------------------------------------------
As nuvens de chuva se afastaram. Ele foi à janela.
O cão ainda agonizava entre o corpo dela e o muro.


André de Leones
--------------------------------------------------------------------------
Amor deles água de barrela:
ele gostava do Rimbaud; ela do Rambo.


Evandro Affonso Ferreira
--------------------------------------------------------------------------
VENTRÍLOCO

— Quem tá falando, eu ou você?


Fernanda Siqueira
--------------------------------------------------------------------------
SEREIA

Chegou na cela.
— Por que olha para esse copo d’água?
O velho disse:
— 15 anos e não sei. Chega agora e quer saber?


Ferréz
--------------------------------------------------------------------------
kd vc agora?
virei oceano sem adeus nem volta
tdu foi amor :,(
:,(
não era onda


Flávio Viegas Amoreira
--------------------------------------------------------------------------
50 ANOS

De hoje em diante só faço o que quero.
“É cedo pra isso”, disse minha mãe,
que nunca se deu ao luxo.


Ivana Arruda Leite
--------------------------------------------------------------------------
PARTO

No lixão, a mendiga força o bebê pra fora:
Se tu entala, te faço voltar pra barriga, fio-da-puta.


João Silvério Trevisan
--------------------------------------------------------------------------
METÁFORA

Aquele catavento é um homem.


Lirinha
--------------------------------------------------------------------------
8 MM

Estourou o céu da boca; Ele escutou a sua prece.


Luciana Miranda Pennah
--------------------------------------------------------------------------

4 comentários:

Giuliano Quase disse...

legal esta ideia, hein, raul. minicontos recebidos pelo celular. não tava sabendo da parada.

que tal hoje um café. podemos dar um pulo na exposição do pó e teias na bpp, que acha?

se quiser me ligar,aê: 9605-2983

Giuliano Quase disse...

pough, café às 15h no arabesco, frente a floricultura?

convdarei o ricardo

deisi perin disse...

Bacana essa ideia

marilda confortin disse...

Bem interessante... e tem até uma coisas boas aí.