terça-feira, 30 de agosto de 2011

reflexões de uma manhã de agosto


             acordei
             meio tonto meio zorro
             louco pra ziguezaguear
             a lâmina espadeira
             por testas infestas
             bandidas franzidas
             da humanidade vil

             levantei
             meio charles bronson
             com cinco desejos de matar

             paladar paladino
             pensei num pingado
             pão com manteiga na chapa

             me enrolei
             num cachecol
             na cabeça o gorro

             padaria hoje em dia
             vende doril e jornal
             passagens pra lua-de-mel
             até carne de sol

             a espera me permite
             folhear o conteúdo hediondo do diário

             minas: polícia encontra carro de suspeito
             de matar e esquartejar três irmãs em uberaba

             porto alegre: mesa-diretora da câmara
             aprova salário de R$ 14.837 para vereadores

             rússia: homem é preso após matar vítima
             e usar sua carne para fazer croquetes

             curitiba: salário dos professores da rede estadual
             poderá ser reajustado em 5,83%

             sampa: após briga de torcidas, corpo de corinthiano
             é encontrado morto no rio tietê

             brasil: médicos marcam paralisação nacional
             em protesto contra planos de saúde

             rio: governo culpa condutor morto por acidente no bonde
             (ele tinha apenas trinta e cinco anos de experiência)   

             brasília: plenário da câmara livra deputada
             de cassação do mandato por falta de decoro

             na página dois
             a charge do dia mostra
             o capitão américa
             descolando uma esmola
             na esquina da wall street
             com a general lee

             quem me dera um dia de fúria...
             michael douglas era feliz e sabia
             tanto que não perdeu a ternura

             na volta pra casa
             uma imagem patética...
             o sargento garcia
             na fila do sus (vida dura)
             acompanhado do neto
             vestindo boné do homem-aranha

             ensimesmado
             nas trevas do constrangimento
             penso em voz alta:
             já não se fazem
             baader nem meinhof
             como antigamente
 
             zapata, eu? comandante marco?
             lampião? maria bonita, quem sabe?

             qual nada!
             chego em casa
             com o rabo pusilânime entre as pernas
 
             começo a rabiscar um poema
             enquanto sonho
             o sonho de um dia vir a ser

             o exterminador do futuro
 
 
             RAUL POUGH

Um comentário:

Astrologia e tarot disse...

Como sempre estás muito bem de caneta poética...parabéns pelo trabalho e felicidades.