quinta-feira, 12 de julho de 2007

Pablo Neruda: 103 anos depois


Filho de um operário ferrroviário e de uma professora primária, nasceu a 12 de julho de 1904, na cidade de Parral, no Chile. Seu nome verdadeiro era Neftalí Ricardo Reyes Basoalto. Órfão desde o nascimento (sua mãe não resistiu ao parto). Prêmio Nobel de Literatura em 1971, morreu a 23 de setembro de 1973 em Santiago do Chile, oito dias após a queda do Governo da Unidade Popular e da morte de Salvador Allende. A notícia do falecimento correu de boca em boca por Santiago. Quem se atreveria, naqueles dias terríveis, a ir aos funerais de Neruda? Pois foram. Quando o caixão foi levado ao cemitério, a multidão foi se aglomerando ao redor. Murmurando seus versos, as ruas foram se enchendo de gente, recitando trechos da sua “A Canção Desesperada” e outros tantos versos de sua obra.

Clique para ouvir: "A Canção Desesperada"

3 comentários:

Natália Nunes disse...

e sua voz poética ecoa por ouvidos-almas até hj.
e ainda dizem q não existe vida após a morte.

Fernando de Sá Moreira disse...

Neruda e eu já nos vimos de longe, fiz um sinal amigável e ele retribuiu com um sorriso cortes, mas ainda não fomos devidamente apresentados. Não que ele já não tivesse passado aqui em casa, na verdade acho que ele está escondido atrás do Manuel Bandeira esperando o momento certo para pular nas minhas costas e agarrar=me os ouvidos. Ando seriamente desconfiado que ele declama versos em meu quarto quando estou dormindo.

Ana Valéria Sessa disse...

Ouvindo novamente. Lindíssimo !