domingo, 7 de março de 2010

Cruel


Não foi o meu não
mas o teu sim,
na quimera da paixão do minuto,
o autor da matança.

Nem minha lágrima esperou
meu coração, nem agonizou.


SANDRA FALCONE

in: "Retraços de Mulher" (1998)

Um comentário:

Kátia Flávia disse...

É verdade: um "sim" abre caminhos. Um "não", interdita-os.