sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

pg. 42


          você gastou tempo e perícia
          para que eu ficasse apaixonado
          mas tropeçou em tanta astúcia
          e seu charme piscou o olho errado

          depois fumou todo o meu cigarro
          roubou meu isqueiro roubado
          bateu a porta e o carro
          e eu continuei ali sentado

          outro dia chegou pelo correio
          sua orelha e um pulso cortado
          meu bem, te reconheci pelo cheiro
          mas não fiquei preocupado

          só saí e comprei um revólver –
          baby, eu não queria andar armado
          mas sua estupidez não lhe deixa ver
          que eu não quero ser seu namorado


          MARCOS PRADO

          in: "Livro de Poemas de Marcos Prado" (1996)

Um comentário:

Giuliano Quase disse...

tenho este poema no blogger. É bem engraçado a história de como ele foi parar na minha mão.

abraço